Faculdade AJES realizou homenagens aos enfermeiros de Guarantã do Norte

Foram homenageados todos os profissionais da enfermagem e enfermeiros pioneiros de Guarantã do Norte, Peixoto de Azevedo, Matupá e Terra Nova do Norte

Na noite do dia 12 de maio aconteceu em Guarantã do Norte, a abertura da II SEMANA DE ENFERMAGEM no auditório da Faculdade AJES, onde foram homenageados todos os profissionais da enfermagem e enfermeiros pioneiros de Guarantã do Norte, Peixoto de Azevedo, Matupá e Terra Nova do Norte, e a secretária de saúde que ajudou fazer história em Guarantã, Veroni Pansera. O curso contou com palestras, minicursos, homenagens, coletas e interpretação de exame laboratorial através do telessaúde.

O Telessaúde é um programa nacional que tem como objetivo fortalecer a Atenção Básica/Atenção Primária da Saúde a partir da qualificação dos profissionais da saúde.

O telessaúde por meio de ferramentas e tecnologias da informação e comunicação, já realizou mais de 3.000 teleconsultorias, gerou mais de 4.000 laudos de eletrocardiograma (ECG), e mais de 10.000 profissionais de saúde receberam qualificação por meio das atividades de Tele-educação.

São mais de 550 pontos de telessaúde localizados em Unidades Básicas de Saúde (UBS) em 100% dos municípios de Mato Grosso, com mais de 4.500 profissionais de saúde cadastrados. Cada munícipio tem seus telesapoiadores, em Guarantã, a responsável por isso é a enfermeira Márcia Budtinger.

O diretor geral da AJES, Clódis Menegaz, falou sobre a homenagem, “Com certeza, é o segundo ano do curso de enfermagem em Guarantã do Norte. Nossos acadêmicos estão comemorando esse dia tão importante para o curso de enfermagem que é o seu aniversário. E nada mais justo, nada mais importante e salutar para a ciência que o evento dessa magnitude, aonde o nosso acadêmico, ele vai ouvir palestras importantes que serão ativas no seu dia a dia de labor na profissão, no futuro, e respeitando o princípio condicional, que é a instituição tem que fazer desses eventos que é um programa de extensão. Então um evento desses, nada mais é, uma extensão. Para fazer educação tem que ter ciência e tem que fazer ciência, e só faz com amostra cientifica. Ele está buscando informação que vai levar para o mercado de trabalho, no seu estágio, nas suas aulas práticas, na sua formação. Não existe um PSF sem enfermeiro”, disse Clódis.